Pesquisar este blog

sábado, 28 de julho de 2012

"Agora é pensar no próximo jogo"

"Cometemos alguns erros, agora é pensar no próximo jogo". Esta expressão é comum em entrevistas dadas por jogadores de futebol logo após o jogo terminado, principalmente se houve derrota. Mas há casos em que, mesmo após uma vitória, eles expressam essa insatisfação. É que há vitórias e vitórias. Quando, por exemplo, um 3X2 é de virada, em que um time estava perdendo de 2X0 e  no final vira o jogo, essa vitória tem um valor, é comemorada ostensivamente, com danças do tchu,tcha,tchu, gestos para a torcida etc. Mas quando o time que estava ganhando de 3X0 no primeiro tempo e, no segundo, toma dois gols por descuido, ou por achar que a partida já está ganha, como foi o caso da seleção brasileira na última partida nos jogos das olimpíadas de Londres, aí a vitória tem gosto de derrota. Não sou nenhuma expert em futebol e por isto só gosto de falar dele sob o ponto de vista filosófico. O bom do futebol é justamente sua imprevisão. Se já soubéssemos antes qual seria o resultado do jogo não teríamos o interesse que temos em assistir a uma partida. Por este motivo não sou muito a favor de certas regras do futebol em que o adversário já entra com vantagem sobre o outro, só porque ganhou no campo do anfitrião. Também não acho graça em duas finais, uma lá e outra cá ou vice versa. Bom mesmo é quando podemos assistir a um jogo dinâmico em que ambas as partes jogam com vontade de ganhar e com criatividade, sem preguiça. Não gosto da técnica de jogo da seleção da Espanha ou do Barcelona do craque Messi, porque é muito previsível, cheio de toquinhos de bola, parado, como se eles estivessem numa tourada tentando cansar o adversário ouvindo os olés da platéia. Gosto de jogo corrido, com jogadas rápidas e inteligentes. Gosto do futebol em si, não sou fanática por time nenhum e muitas vezes mudo de torcida, ou seja, quando um time está perdendo  torço para que ele melhore e faça um gol no outro. Apesar de achar a disputa por penalti emocionante não acho justa. Ter que decidir um campeonato por chute direto ao gol depois de uma exaustiva partida com prorrogação é muito ingrato. E o pobre jogador que, por emoção, erra o chute tem sua carreira manchada por resto da vida. Mesmo que tenha sido um craque vai ser sempre lembrado como aquele que perdeu o penalti e fez seu time perder o campeonato. Outra coisa que me aborrece no futebol é quando se culpa o técnico pelo mal desempenho do jogador em campo. Nem dão tempo para que ele se adapte ao time que acaba de assumir para dirigir e logo o demitem trocando-o  por um salvador da pátria, até provar o contrário. Bom seria se o técnico pudesse contar com um controle remoto e chips para manipular  a jogada do jeitinho que ele orienta seus discípulos.



Em Tempo: Confirmando o que falei acima, hoje, dia 4/08/2012 a seleção brasileira ganhou de 3X2 de virada, da seleção de Honduras, e o gosto da vitória foi bem melhor.