Pesquisar este blog

domingo, 25 de novembro de 2012

A mentira é, muitas vezes, uma estratégia de sobrevivência.

Se alguém disser que nunca mentiu está literalmente mentindo.
A mentira é tão importante quanto a verdade, claro que em determinadas situações.
Assistindo a um seriado de televisão, "A Grande Família", cujo episódio envolvia a mentira, o personagem Lineu convenceu a todos nunca mais mentirem, senão ele não perdoaria a falha que todos cometeram fingindo que tinham lembrado do seu aniversário um dia depois, com uma festa "surpresa". Foi um caos total. O personagem Augustinho, candidato a vereador, não pode discursar fazendo as promessas que todo político faz para não cumprir; o personagem Carlão, foi pego traindo a namorada e teve que confessar que realmente era um pegador, e aí a namorada terminou o relacionamento; o Tuco, personagem filho de Lineu, não pode mais representar o seu personagem  "um gay" na televisão, e perdeu o emprego; Beiçola, o dono da pastelaria, teve que confessar que o pastel era dormido e perdeu clientes; a Bebel, esposa de Augustinho, resolveu desabafar todas as verdades guardadas. Até que, o próprio Lineu, foi lembrado que teve que mentir para conquistar o amor da esposa, Nenê, na época em que se conheceram, que de outra forma não estaria casado com ela. Aí, a promessa de só falar a verdade foi desfeita, porque ele chegou a conclusão que para o mundo seguir em frente seria necessário uma mentirinha de vez em quando.
Muitas desavenças poderiam ser evitadas se uma mentirinha fosse usada naquele momento. Os homens costumam esconder suas "puladas de cercas" a fim de manter o seu casamento, que muitas vezes vale mais que o deslize cometido num momento de "fraqueza". No dia a dia nos deparamos com situações que nos obrigam a mentir, porque ser sincero nem sempre agrada. No relacionamento social estamos sempre usando máscaras, com beijinhos falsos, um "você está ótima", porque sabemos que isto vai ajudar mais que falar a verdade. Os anúncios midiáticos fazem sucesso porque sabem que as pessoas gostam de se enganar. Nem todo mundo está preparado para ouvir um diagnóstico médico fatal. A vida em si é uma grande ilusão, mas, para continuarmos vivendo, dizemos para nós mesmos que as coisas vão melhorar, pois se refletirmos bem, veremos que na vida tudo tende a piorar e a morte é certa. Ninguém agrada a ninguém só falando a verdade, ou só mostrando o seu lado negativo. O filósofo francês Gilles Deleuze, disse numa entrevista : "se você estiver apaixonado por alguém fique na superfície, porque quando vamos fundo a paixão acaba".
Mas, uma mentira pode também levar uma nação à guerra, como foi o caso da falsa bomba atômica escondida no Iraque e que levou os Estados Unidos a derrubar o governo Iraquiano.
Há mentiras que mais prejudicam que ajudam. O ex presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, até hoje é lembrado pela mentira que tentou pregar no caso da estagiária.
Porém, conviver com a mentira é mais fácil que encarar o desafio de conviver com certas verdades. Quando a mentira tem o intuito de harmonizar ela é benéfica, mas quanto ela é usada para prejudicar o outro, e em benefício próprio, ela é abominável.