Pesquisar este blog

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Transhumanismo

Foto Google
Publicado em 17/9/2013

Melhoramento físico e cognitivo dos humanos por meio de novas tecnologias.
É o movimento que defende que a forma atual do ser humano não representa o fim do nosso desenvolvimento, mas sim uma fase relativamente precoce. Ou seja, assim como usamos métodos racionais para melhorar as condições sociais e o mundo externo, também podemos utilizar novas tecnologias para o melhoramento físico e cognitivo dos humanos, sem necessariamente estarmos limitados a meios tradicionais como educação e desenvolvimento cultural.
Os bioconservadores, que se opõem aos transumanistas, acham que isto é uma nova versão da eugenia, movimento da primeira metade do século 20, que procurava a melhora da espécie humana pela promoção da criação de indivíduos considerados ‘aptos’, dificultando a de pessoas não dotadas de qualidades ‘positivas’, como portadores de deficiências físicas e mentais, homossexuais, certas etnias, entre outros, cujos métodos da prevenção incluíam esterilização compulsória, abortos forçados, segregação racial, eutanásia e extermínio em massa (com genocídio de milhões de judeus e ciganos na Alemanha nazista).
Porém, os transumanistas negam essa aproximação com a eugenia. Eles afirmam que o transumanismo defende os princípios da autonomia do corpo e da liberdade procriativa e ninguém deve ser forçado a usar qualquer tipo de tecnologia. Diagnósticos genéticos pré implantação (PGD em inglês) é uma técnica que permite selecionar embriões que não tenham genes relacionados a doenças, como, por exemplo, a fibrose cística. Esta é uma aplicação justificada, pois aumentaria a probabilidade de uma criança ter uma vida saudável e feliz. O filósofo australiano Julian Savulescu, diretor dos centros de Ética Prática e de Neuroética da Universidade de Oxford, denomina isso de ‘beneficência procriativa’. Embora a decisão deva ser dos pais, seria incorreto não tomar precauções razoáveis para garantir que a futura criança tenha uma melhor vida possível, assim como seria errado não obter o melhor tratamento para um filho doente. Mas, existem casos em que o próprio filósofo Savulescu se contradiz, como a questão das norte-americanas Sarah Duchesneau e Candy McCullogh. Surdas, em 2002 usaram o esperma de um amigo com surdez hereditária para ter um filho surdo. O filósofo australiano não vê problemas éticos na decisão: “A beneficência procriativa é um princípio moral que nos diz o que devemos fazer. Mas a autonomia procriativa é um princípio legal – devemos nos reproduzir da maneira que desejarmos, desde que não causemos danos a outros”. Embora considere a surdez como uma deficiência, Savulescu acha que sua opinião não deve ser imposta a outros. Não se pode permitir que pais surdos destruam a audição de seus filhos para torná-los surdos também. Portanto, o problema é complexo. 
Outros problemas que os opositores alegam é o aumento da desigualdade social e polarização na sociedade. Mas, para o cientista da computação Fábio Gandour, chefe de pesquisa da IBM Brasil, "isso não é tão assustador quanto parece. Seremos mais competitivos no futuro, é certo, assim como é hoje ter um tablet mais novo,  e será assim com os implantes". Mas por enquanto o objetivo é a terapia: permitir que as pessoas com deficiências ou doenças degenerativas possam ter uma vida similar a de pessoas sem esses problemas.
Para o físico Luís Alberto Oliveira, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) essas mudanças suscitarão a discussão do que se entende por normalidade: "Num horizonte mais distante nos questionaríamos sobre  qual é o limite entre o natural e o artificial". Os desafios éticos dirão se o futuro será bom ou mau.                                                                                       

Resumo do artigo  de Fred Furtado "O Futuro Transumano"', da Rvista Ciência Hoje, número 307, RJ  - Para ler mais http://humanityplus.org/philosophy/transhumanist-faq/