segunda-feira, 27 de abril de 2015

Invisibilidade pode ser arma contra fobia social, sugerem cientistas

27/04/2015 07h41 - Atualizado em 27/04/2015 07h41
Globo.com
Teste apontou estresse menor quando havia sensação de invisibilidade.
Experimento contou com a participação de mais de 100 pessoas.

Resumo do artigo



A sensação de ser invisível pode contribuir para diminuir o estresse que algumas pessoas sentem em frente às outras - foi o que descobriu um grupo de pesquisadores, segundo os quais essa ilusão pode ajudar no tratamento da ansiedade social.
Ser invisível é uma aspiração antiga. O filósofo grego Platão narra a história de Giges, que se torna rei graças a um anel que lhe confere invisibilidade. O romance de ficção científica de HG Wells, "O Homem Invisível", atribui essa faculdade a um cientista louco, e Harry Potter, o aprendiz de feiticeiro de J.K. Rowling, tem uma capa com esse poder.
Nos últimos anos, alguns progressos foram alcançados graças à pesquisa com metamateriais capazes de manipular as ondas com "camadas de invisibilidade", formadas por materiais artificiais que permitem desviar os raios de luz que chegam em um objeto, tornando-o invisível.
"Embora os dispositivos capazes de esconder completamente um corpo humano ainda não tenham sido desenvolvidos, não é irreal pensar que um dia vai ser possível, e é melhor ir se preparando", explicou Arvid Guterstam, coautor de um estudo publicado na última semana periódico "Scientific Reports", da conceituada revista científica "Nature".
"Queremos estudar as consequências psicológicas de tal invisibilidade para que estes dispositivos possam ser usados com segurança", acrescentou o pesquisador em neurociência do Instituto Karolinska, em Estocolmo (Suécia).
O estudo utilizou um total de 125 participantes, com 25 voluntários para cada experiência. Cada um deles foi equipado com um capacete de vídeo ao vivo e em 3D, alimentado por um par de câmeras colocadas ao nível dos olhos. Apontando para baixo, as câmeras filmavam o vazio. Em seguida, os pesquisadores pediram aos voluntários que se levantassem e olhassem para baixo. Em vez de ver seu próprio corpo, as pessoas viam um espaço vazio.

Os cientistas constataram que a frequência cardíaca dos participantes e seu nível de estresse declarado foi menor quando a pessoa tinha a sensação de ser invisível do que quando ela se percebia visível pelos demais.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

O Veneno Nosso de Cada Dia

Além de todos os problemas que o Brasil enfrenta, existe este que me preocupa muito mais, por se tratar de Saúde Pública.
Será que não estamos sendo envenenados aos poucos?
Transcrevo aqui o resumo deste artigo para que reflitamos melhor a respeito:

Resumo do artigo da Revista Ciência Hoje.
(de autoria de Wanderlei Pignati, do Departamento de Saúde Coletiva da universidade de Mato Grosso)


" Nosso  país é apenas um dos maiores produtores de alimentos; mas é o maior consumidor mundial de agrotóxicos. Na safra  2012/2013, foram utilizado 1,05 bilhão de litros desses produtos em nossas lavouras. Entre os impactos da cadeia produtiva do agronegócio, os de maior relevância são a contaminação do solos, das águas, dos alimentos, do leite materno, intoxicações agudas e crônicas, como cânceres, malformações, distúrbios endócrinos, neurológicos e imunológicos. Tais produtos contaminam o ambiente; os trabalhadores rurais; as populações do entorno das plantações; e os próprios consumidores do alimento. O endosulfan, um agrotóxico da classe dos organoclorados, só foi proibido no Brasil em julho de 2013, e desde 1984 que ele é proibido nos paises de primeiro mundo. Na China ele foi proibido há cinco anos. O endosulfan é extremamente tóxico. Ele persiste por vários anos no solo e nas gorduras animais e apresenta características genotóxicas, neurotóxicas, imunotóxicas, toxidade endócrinos ou hormonal, reprodutiva e desenvolvimento embriofetal. Os agrotóxicos mais utilizados são os herbicidas, fungicidas e inseticidas. O endosulfan está entre os inseticidas".

Infelizmente os alimentos cultivados em hortas orgânicas ainda são produzidos em pequena escala no Brasil, e são muito mais caros.
























sábado, 4 de abril de 2015

A mentira nossa de todos os dias



Já escrevi a respeito deste assunto neste Blog, " A mentira como estratégia de sobrevivência" - mas vou falar de novo sobre a mentira inspirada na atual conjuntura política brasileira.
 Quando eu fazia Pós graduação em Saúde Pública, por algum motivo ligado ao programa, o professor chamou a atenção para as consequências danosas da mentira e da inveja na saúde das pessoas, que não vou detalhar aqui. Então eu abordei a mentira como uma estratégia da sobrevivência citando o exemplo do mimetismo que alguns animais, como o camaleão, usam para se defender dos predadores. Não deixa de ser uma enganação, disse para o professor.  E ele aceitou a minha reflexão. A partir daí passamos a discutir o assunto na aula. Mentir muitas vezes salva uma vida. Até mesmo a vacina que damos para simular uma doença e induzir nosso organismo a fabricar um anticorpo, pode ser enquadrada na importância da mentira como sobrevivência. Infelizmente na maioria das vezes as pessoas mentem em benefício próprio em detrimento ou prejuízo do outro. Esta é a mentira que faz mal. Mas se você mente para evitar que o outro sofra é uma mentira do bem. Ensinamos à criança que não se deve mentir, mas somos obrigados a contar mentirinhas para que eles fiquem calmos, se alimentem ou durmam em paz. As estórias da Carochinha são recheadas de  mentiras. A mentira dos mágicos diverte a platéia. Mentimos para nós mesmos para aceitar a inevitável morte, acreditando em outras vidas pós morte. Há quem diga que certas verdades doem mais, outros que a mentira dói menos e que a vida é feita de ilusões. Há aqueles que mentem sistematicamente sem prejudicar ninguém, apenas para se inserir em determinados ambientes. São camuflagens  para serem aceitos no grupo . Outros fazem tudo isso para darem um golpe.  Enfim, a mentira faz parte do cotidiano das pessoas.   Atualmente estamos vivendo no Brasil uma situação nunca vista em nossa história,  as descobertas de mentiras que trouxeram grandes prejuízos financeiros ao país  nos últimos anos, mentiras essas apenas para beneficiar seus atores. São mentiras abomináveis atreladas a  corrupção e que precisam ser combatidas com rigor. É inadmissível ouvir um chefe de nação justificar suas mentiras dizendo que em campanha eleitoral se faz o diabo. Isto é passar atestado de enganador. 
Se mentira tem pernas curtas pode também se tornar uma bola de neve, pois terá que se inventar sempre outras  para justificar a primeira.

sexta-feira, 3 de abril de 2015


Museu Náutico da Bahia. Forte Santo Antonio da Barra - Farol da Barra.

Farol da Barra - Salvador -Bahia Este é o Forte de Santo Antônio da Barra, edificado no século XVI, ocupando o Sítio da Ponta do Padrã...