Pesquisar este blog

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Agradecer é muito mais que pagar.


 "Por favor" , muito usada corriqueiramente, essa expressão pode ser substituída por  "por gentileza" se o pedido é para uma situação simples, sem grande importância, ou sem urgência. Sim, porque "por favor" usada num pedido de maior importância, de socorro ou urgência, tem um valor, um significado e um peso imensurável. Daí ser o favor uma dívida impagável. Impagável não no que diz respeito a um valor material, mesmo que tenha dinheiro envolvido, mas no que diz respeito ao momento em que o favor foi solicitado e atendido. E momento não se repõe.  Mesmo que o favorecido venha, um dia, a fazer outro grande favor ao seu favorecedor, como retribuição, será um outro favor, com outro peso, sem zerar aquele que, naquele momento, o salvou de uma situação de urgência, muitas vezes valendo por uma vida.  Não quero dizer com isso que a pessoa deva sentir-se constrangido ou incomodado psicologicamente com essa "dívida". Absolutamente.  Pedir favor a alguém é prova de confiança em todos os sentidos e em mão dupla. Sentir-se incomodado, diante de uma situação de favor, é porque falta essa confiança.  Pois um favor atendido num momento de desespero é único e engrandecedor, não só para o favorecido mas, principalmente, acredito eu, para o favorecedor, que muitas vezes tem prazer em poder acudir alguém numa situação difícil, desde que este não seja um vaidoso querendo mostrar poder. Repare que não usei aqui os termos devedor e credor, e sim favorecedor e favorecido, já que favor não é empréstimo a juros, a única garantia que se quer em troca é a amizade, e esta jamais deverá ficar arranhada por falta de crédito, que neste caso converte-se em gratidão.

Em tempo - A razão de ter escrito este texto foi a lembrança, de quando garota, de um episódio em que uma conhecida minha após fazer um favor a uma amiga, se oferecendo para pagar uma pequena dívida, teve uma grande decepção, que a deixou triste quando a amiga passou a evitá-la nos lugares que costumavam frequentar. Embora ela jamais tivesse pensado em cobrar o favor. Nesse caso faltou confiança do lado favorecido.