Pesquisar este blog

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Sobre a separação do Reino Unido - Texto resumido

Foto do Google

BREXIT, Europa e o triunfo da desconfiança 
Autor: Joaquin Aguado – Tradução: Leonardo Maia
Hoje é um dia triste. A maioria dos cidadãos da União Europeia e do Reino Unido não são conscientes em absoluto da extensão do que aconteceu apenas algumas horas atrás com a decisão em um referendo,  por estreita margem, dos cidadãos do Reino Unido, de abandonar União Europeia.
A UE estava e está longe de ser perfeita. Pior que isso, é profundamente imperfeita. Carece de mecanismos democráticos adequados, processos de gestão eficazes, e sobretudo, nos últimos dez anos, perdeu a capacidade de responder e entusiasmar os cidadãos dos distintos países que a compõem. E esta é uma boa parte da razão pela qual os cidadãos britânicos, especialmente aqueles com mais de 50 anos, votaram “sair”. Porque, simplesmente, a UE era para eles algo do qual não percebiam o propósito, importante ou simplesmente benéfico.
E se eles não percebem não significa que não era. Quer dizer, estava “além” do âmbito de suas percepções imediatas.
A essa questão, ou melhor, em relação a si própria, liga-se o problema dos extremismos e do nacionalismos que surgem em todo o mundo. Em vez de avançar a “democratização” das áreas controladas por sistemas autoritários (que são sempre, por definição, extremistas e nacionalistas), começou a acontecer o contrário: o mundo democrático se torna nacionalista, extremista, e em pouco tempo, ele vai se tornar autoritário.
Por que isso está acontecendo? … Por uma razão muito simples. Como indiquei em Economia de Confiança (IAO Art Publishing House, 2015), a economia moderna é baseada em dois pilares essenciais que agem, agora, a um nível inconsciente. Fraternidade e a confiança. A economia global com base em o uso intensivo de tecnologia (ou seja, a inteligência humana, que organizando o trabalho produz efeitos da arrocho ou a liberação dos mesmos) gera um efeito mundial gigantesco de interdependência que faz com que ninguém possa trabalhar de facto para si mesmo. Nosso trabalho já é tão especializada e tão intensivo na “inteligência” (ou seja, o capital), que, de facto, são extremamente produtivos e eficazes, mas dependemos de outros para o nosso sustento. Tudo o que produzimos, o fruto do nosso trabalho é para os outros seres humanos, e, inversamente, tudo o que precisamos, vem de outros. Isto é, de fato, fraternidade, na essência. No entanto, na consciência, que se reflete na circulação do capital, agimos egocêntrica, como se o dinheiro fosse “nosso”, e nós trabalhássemos para nós mesmos (que, aliás, não é real, mas se constitui de uma forte ilusão de que continuamos a viver cada dia como se nada tivesse acontecido nele).
Em relação à confiança, a divisão do trabalho criou um efeito de “isolamento” e “separação” no mundo moderno, ao ponto “isolar” o trabalhador em seu próprio “cubículo” ou em sua “posição” na cadeia de montagem. Nós passamos desde talhar artesanatos nas oficinas século XVII, onde artesãos de diferentes níveis trabalharam juntos criando seus produtos, aos espaços de trabalho modernos, onde a individualização foi levada ao extremo. Este processo de “separação” é um processo de individuação absolutamente necessário para o homem moderno pode experimentar a liberdade.
Era necessário que o homem terminasse de romper as antigas formas coletivas, para experimentar a si mesmo como um ser individual e livre. E a primeira “fase” da chamada individualização é a fase do isolamento. Este processo é percebida como um processo de perda, escurecimento, o arrefecimento. o velho mundo dos relacionamentos e conexões, dá lugar ao vazio do próprio ser. É a noite escura da alma, como foi chamada por San Juan de la Cruz.
Neste espaço, surge o desejo de voltar atrás, o medo da escuridão espiritual, de não ter respostas, e com ele a tentação da “desconfiança” aparece para o ser humano. Este medo é o que nos leva a voltar atrás, ao mundo coletivo, onde as formas de organização trazem o domínio do grupo sobre o indivíduo (nacionalismo, extremismo e autoritarismo emergem).
Mas também é frente a este vazio, que o ser humano moderno pode encontrar com si mesmo.
Sent by bibliotecadaantroposofia@antroposofy.com.br in collaboration with

sábado, 11 de junho de 2016

O Desafio de Hércules

“Descer ao Inferno é fácil: difícil é retornar depois”

O desafio de Hércules foi vencer um leão de pele invulnerável, que devastava rebanhos e devorava todos os que tentavam matá-lo. Aconselhado por Atena, deusa da sabedoria, a não usar a força, o herói estrangula a fera em sua caverna. Nesse teste, Hércules ensina que a luta pelo aperfeiçoamento começa dentro de nós. Os leões de hoje são a violência e a agressividade e o desafio é buscar a harmonia, procurando antes de mais nada nossos recursos internos.

Biblioteca Virtual de Antroposofia
http://www.antroposofy.com.br/forum/





sábado, 4 de junho de 2016

Tolerância Zero para a violência contra as mulheres




Já que não podemos mudar a natureza biológica desses "Australopithecus" estupradores, que não conseguem afastar-se de suas raízes animalescas primitivas, que sejam punidos duramente pela sociedade. Esta sociedade que é machista, muito por culpa dos que não evoluíram e mantêm comportamentos animalescos instintivos, esquecendo que o homem Homo sapiens, foi dotado de inteligência exatamente para controlar as forças e reações condicionadas imprevisíveis, através da racionalidade, aprendizado, condições cognitivas e ambientais. Portanto, a mulher não tem que ser vista apenas como um corpo para satisfazer os desejos dos homens, mas como uma pessoa que tem a liberdade de escolha, para ir e vir da forma que quiser, desempenhando as mais importantes funções na sociedade.
É preciso desconstruir a cultura machista, que não tem nenhum cabimento em pleno século 21, em respeito não só às mulheres, que são as maiores vítimas, como também em respeito a todos os homens de bem, civilizados e respeitosos, que com certeza condenam esse tipo de crime.