quarta-feira, 23 de junho de 2010

Memórias Juninas

O mês de Junho é para mim um mês mágico. Quando criança eu me alegrava quando virava a folhinha de 31 de maio para 1º de Junho. Sabia que estava chegando as festas juninas, começando com as rezas de Santo Antonio e terminando com as alegres folias de São João.
No meu bairro, quase todas as casas tinham altares armados com papéis crepons coloridos com o seu Santo Antonio no alto. Rezava-se a trezena de Santo Antonio, ou seja, 13 dias. Que poderia começar no dia 1º e terminar dia 13, ou começar dia 13 e terminar dia 26 de Junho. Dependendo da devoção da cada um. Às vezes, as vizinhas combinavam para não coincidir o término das rezas, que sempre eram acompanhados de festas, regadas a licor de genipapo, amendoim cozido e outras guloseimas.
Na minha casa festejava-se mais o São João. Era um sobrado de três andares, com doze irmãos. Vejo minha avó, com suas bochechas coradas na beira do fogão mexendo a canjica de milho, ou ralando o aipim para fazer o bolo, assado na brasa de carvão. No amplo quintal, uma grande fogueira armada por meu pai e os irmãos maiores, completava o cenário fantástico na minha imaginação. Nela acendíamos fogos, assávamos milho, pulávamos e fazíamos pedidos a São João. Os balões, muitas vezes confeccionados em casa, com sua bucha de querosene e algodão, davam o colorido no céu em meio às estrelas. Num tempo em que não havia proibições nem fábricas para impedi-los. Tudo isso ao som das músicas animadas, cantadas em ritimo de baião. E as quadrilhas e roupas caipiras? Havia disputa da mais bonita.
Hoje, ainda sinto essa alegria quando São João está chegando, mesmo com um cenário diferente e desfalcado. Só que prefiro olhar pelo meu espelho retrovisor.

Livro "Rainha sem Faixa" romance

Este livro, de autoria de Darcy Brito,foi publicado em 2003. Trata-se de uma história de separação onde a personagem central, Beatriz, faz uma reflexão a respeito dos dramas existenciais humanos. Ganhos e perdas, passado, futuro e suas ilusões. Escrito de uma maneira romântica e realista ao mesmo tempo, o livro aborda os problemas das relações humanas de um modo geral, homem X mulher, pais e filhos, amigos, e seus preconceitos.
A história é envolvente e cheia de surpresas, cujo final convida a uma reflexão.

Para adquirir o livro contatar dnoguei@hotmail.com
 ou tel (71) 999355954
Preço R$ 15,00.

Outros livros da autora "Os que desaparecem Nunca Morrem"
" A Rebelião do Melão Amarelão e seus amigos" (este, infantil)

sábado, 12 de junho de 2010

Vacina contra o câncer de mama

Ciência

Uma proteina chamada alfalactalbumina, que age em alguns casos de tumores malígnos de mama, está servindo de base para o estudo e desenvolvimento da vacina contra o câncer de mama. A vacina, que já foi testada em ratos, estimula o sistema imunológico a combater e eliminar a proteina alfalactalbumina, quando ela aparece, evitando que o tumor se forme. Esta droga também aumentou a capacidade do sistema imunológico para tratar tumores pre-existentes, reduzindo seu tamanho.
Segundo a reportagem do "Daily Telegraph", o criador da vacina Vincent Tuohy, da Clínica Cleveland, de Ohio, nos Estados Unidos, fez o prognóstico de que a vacina pode erradicar a doença por completo.

Os Cromossomas e o Câncer

Por muito tempo acreditou-se que os tumores malignos eram causados por virus,cujo material genético era introduzido no genoma da célula hospedeira causando a transformação e proliferação desta. Era década de 60, e os cientistas achavam que sendo os vírus os causadores da malignidade poderiam criar vacinas para eliminá-los.
Em 1970 os cientistas Peter Duesberg, Michael Lai e Peter Vogt isolaram um gene específico, o src, no virus do sarcoma aviário de Rous, suspeito de ser o causador do tumor. Anos depois outros cientistas descobriram que um gene relacionado ao src já estava presente no DNA normal nos animais, inclusive nos seres humanos. Sugeriram, então, que algum agente desencadeador, como uma mutação na própria versão do src da célula humana, poderia torná-lo tão maligno quanto o seu correspondente viral, recebendo o título de "proto-oncogene".que ficaria ativo, "oncogene", após uma mutação, desencadeando a doença. Essa teoria, de que as mutações em determinados genes humanos cruciais seriam a causa do câncer, dominou as pesquisas nos últimos 30 anos.
Resultados recentes apontam para a conclusão de que alterações no número e estrutura de cromossomas inteiros, e não em genes isolados, podem desencadear e manter a malignidade. Acredita-se que esse caos em nível cromossômico não é um mero efeito colateral da malignidade, mas causa direta do câncer. Isto é muito importante para o tratamento e prevenção do câncer, bem como para diagnóstico de lesões pré-cancerosas ainda em tempo de intervir. ( Revista Scientific American, ano 6, nº 61, junho de 2007) resumo do Artigo "Caos Cromossômico e Câncer").

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Dia dos namorados

Segundo psicólogos, este é um dia em que muitas mulheres entram em depressão. Umas porque não têm namorado, outras porque estão brigadas com eles, algumas porque desconfiam que são traídas, enfim, há sempre um motivo para se deprimirem quando a relação amorosa não vai bem.
A insegura espera ganhar primeiro o presente para depois dá o que comprou. As esposas, se eles não se lembram de presenteá-las, ficam frustradas. Mas, se eles lembram e as enchem de presentes e flores ficam com a pulga atrás da orelha: Consciência pesada? perguntam.
Bem faz a turma jovem dos ficantes. Programam apenas para um dia.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Um Pouco de Florbela Espanca, uma poetisa à frente do seu tempo

Florbela D'Alma da Conceição Lobo Espanca, nascida em Alentejo, Vila Viçosa, em 1894. Produziu uma das mais belas obras poéticas de lingua Portuguesa . Seu primeiro poema, A Vida e a Morte, foi escrito aos sete anos de idade, comprovando, desde cedo, uma personalidade depressiva . Sua vida foi marcada por amores frustrados, incompreensões e tragédia. Filha de João Maria Espanca, fruto de um relacionamento extraconjugal dele com Antonia Conceição Lobo, daí nasceu também seu irmão Apeles, morto em acidente em 1927. Muito avançada para sua época, não era bem vista pela sociedade local. A neurose de Florbela deu os seus primeiros sinais quando de sua entrada na Universidade e piorou quando separou-se de seu primeiro marido Alberto Moutinho em 1921,após um aborto espontaneo. Neste mesmo ano passa a viver com Antontio Guimarães, casando-se depois com ele. Mais uma vez sofre outro aborto e separa-se pela segunda vez. Sua familia corta relações com ela e seu estado psicológico piora. Em 1925 casa-se novamente com Mario Lage e vai morar em Matosinhos, no Porto.

No dia oito de Dezembro de 1930, suicida-se ingerindo dois frascos de Veronal. Essa teria sido a sua terceira tentativa de suicidio a qual não resistiu.


A Vida e a Morte
O que é a vida e a morte
Aquella infernal enimiga
A vida é o sorriso
E a morte da vida a guarida

A morte tem os desgostos
A vida tem os felises
A cova tem as tristezas
I a vida tem as raizes

A vida e a morte são
O sorriso lisongeiro
E o amor tem o navio
E o navio o marinheiro

Auctora Florbella Espanca
Em 11-11-903
Com 8 annos d'Idade

(Florbela Espanca, «Esparsos», in «Poesia Completa»)


Lágrimas ocultas          ( Livro de  Mágoas - 1919)


Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...


E a minha triste boca dolorida
Que dantes tinha o rir das Primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!


E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...


E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!


Anoitecer          ( Livro de Soror Saudade - 1923)

A luz desmaia num fulgor de aurora,
Diz-nos adeus religiosamente...
E eu que não creio em nada, sou mais crente
Do que em menina, um dia o fui.... outrora

Não sei o que em mim ri, o que em mim chora,
Tenho bênçãos de amor pra toda a gente!
E a minha alma, sombria e penitente,
Soluça no infinito desta hora...

Horas tristes que são o meu rosário....
Ó minha cruz de tão pesado lenho!
Ó meu áspero e intérmino Calvário!

E a esta hora tudo em mim revive:
Saudades de saudades que não tenho
Sonhos que são os sonhos dos que eu tive...



quarta-feira, 2 de junho de 2010

Você é Narcisista?


Para a Psicanálise e a Psiquiatria, o Transtorno de personalidade narcisista é um estado patológico. Os indivíduos com o transtorno julgam-se grandiosos e possuem necessidades de admiração e aprovação de outras pessoas. O narcisismo excessivo dificulta para o individuo uma vida satisfatória.

(Revista Ciência e Vida, Filosofia anoIV, nº 42)

Falando como platéia.

Tenho muito respeito pelos artistas de um modo geral, pois acho que eles são seres escolhidos para tornar a nossa vida mais alegre e mais l...