Pesquisar este blog

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

O GLAMOUR DAS CADEIRINHAS DE ARRUAR

 

No século XlX   a cadeirinha de arruar* por muito tempo constituiu o único meio de condução, entre nós, nos ombros dos africanos. A princípio a cadeirinha era privilégio dos fidalgos, magistrados, médicos clínicos, professores notáveis, senhores de engenho, comerciantes,  vigários e cônegos, enfim, era um distintivo de abastança porque nem todos podiam manter certo número de africanos somente para o serviço da cadeirinha. Podia-se ver dezenas de cadeirinhas em ocasião de casamentos e batizados ricos conduzindo os noivos, padrinhos e convidados. Quatro carregadores (ou duas parelhas como se dizia na época), custavam um conto de réis.  A cadeirinha do potentado se destacava pelos trajes dos carregadores e pelas cores vivas: trajavam casaca de pano azul com portinholas, botões dourados ou encarnados; calças do mesmo tecido, agaloadas; chapéu alto de oleado com galão de ouro; colete de flanela clara com botões dourados e gravata de manta. A cadeirinha de arruar era muito usada pelas mulheres.  As senhoras com vestidos guarnecidos de ouro e prata, cheias de jóias, trazendo à cabeça chapelinhas* bem enfeitadas, prendiam as cortinas da cadeirinha para expor seu luxo e riqueza á curiosidade e admiração.

As senhoras ou jovens recatadas fechavam a cadeira para não  serem observadas
Posteriormente a cadeirinha foi perdendo o valor e os menos abastados puderam alugá-las.
A lei n. 223 de 3 de maio de 1845 concedeu privilégio por dez anos a quem quisesse estabelecer uma companhia de Ônibus( Gôndolas). 
Por muito tempo existiu uma certa repugnância por parte das senhoras em tomarem as gôndolas. Foi a condessa de Barral, ( paixão  do Imperador D. Pedro ll )  nobre dama de educação esmerada, a primeira mulher a se servir desse meio de condução, fazendo propaganda em seu círculo de amizade, conseguindo com isso vencer a resistência. Nas gôndolas só tinha ingresso as pessoas decentemente vestidas. Não se fumava nem havia rusgas com os condutores. 
Soldados, marinheiros e praça de polícia, embarcavam em vapores.


*  arruar quer dizer andar nas ruas.
**chapelinha - Chapéu baixo,de abas largas, enfeitado de flores ou plumas vistosas, para uso de senhoras em dias de festas.

Fonte: Manuel Querino -A Bahia de Outrora 
Ilustração - fotos google.