Pesquisar este blog

terça-feira, 25 de setembro de 2012

O Veneno está servido



"Os impactos dos agrotóxicos na Saúde Pública abrange vastos territórios e envolvem diferentes grupos populacionais", afirma a Abrasco ( Associação Brasileira de Saúde Coletiva) em seu dossiê publicado em abril.

Não apenas agricultores e seus familiares são vítimas potenciais, mas milhares de profissionais envolvidos na comercialização e manipulação dessas substâncias e, todos nós, diariamente a cada refeição, estamos ingerindo esses princípios ativos.  "Hoje todo mundo come veneno", diz o agricultor Jeferson Matias da Rosa, de Boa Vista das Missões (RS) no artigo publicado na Revista Ciência Hoje.
Muitos dos insumos agroquímicos, que já foram banidos de outros países, devido a elevados graus de toxidades, tem o Brasil como endereço certo. Inseticidas, herbicidas, fungicidas, nematicidas, moluscidas, formicidas, acaricidas, rodenticidas e mais cidas. O endolssulfam usado amplamente em cultura de soja, café, algodão e cacau, é um dos mais vendidos no Brasil. Este já foi banido em 45 países. A Anvisa pretende bani-lo até julho de 2013. Acredita-se que ele é um provável desregulador endócrino e responsável por danos irreparáveis no sistema reprodutivo. Também a cihexatina - carcinogênica e neurotóxica - empregada nas plantações de café, laranja, maçã (esta é bom comer sem a casca), morango e pêssego. Esta substância foi proibida apenas no final de 2011 e está na lista negra da Anvisa. Ela é ilegal na Austrália, China, Japão, Tailândia, Líbia, Paquistão, Canadá e Estados Unidos. Também nas plantações de alface e tomate já foi proibido, desde junho último, o uso do metamidofós,  poderoso genotóxico e neurotóxico. Como se isso tudo não bastasse ainda temos casos de uso de agrotóxicos vencidos, adulterados e ilegais, em propriedades rurais e nos estoques de indústrias agroquímicas, encontrados pelo Ibama e Anvisa em todo Brasil. A lista é imensa: Syngenta (suíça) Bayer (alemã) Basf (alemã). Nas Monsanto (norte-americana) Dow AgroSciences, Nufarm, Milenia Agrociências, Ilhabras, Sipicam Isagro Brasil FMC Química do Brasil, foram encontradas irregularidades por omissão de informação no processo de produção de seus agrotóxicos. Ao todo, quase 10 milhões de litros agroquímicos adulterados, vencidos, ou fora dos padrões da Anvisa, que estavam prestes a  ser destinados às lavouras brasileiras.
Fiscalizar é tarefa desafiadora. Segundo o engenheiro e economista Victor Pelaez da Universidade Federal do Paraná (UFPR), temos apenas 77 funcionários para dar conta de gerir e fiscalizar as atividades do setor em todo o território nacional, mesmo sendo o país o maior mercado para esses produtos.
Dados importantes: na última década o consumo de agrotóxico no mundo cresceu 93%. Mas no Brasil, segundo a Anvisa, esse crescimento foi de 190%. Na safra de 2011 nossa agricultura consumiu 936 mil toneladas de agrotóxicos, dos quais, 80% foram destinados ao cultivo de soja, milho, algodão e cana de açúcar. Ou seja, fazendo a conta isso equivale a 5kg de agrotóxico anuais per capta.Segundo dados do Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos em alimentos, em 2010, pelo menos um terço das 2.488 amostras de frutas, verduras e legumes coletadas foram consideradas insatisfatórias. Destes podemos dar um alerta máximo para o pimentão, que teve 91% das amostras com níveis de toxidade acima do permitido; o morango 63%, pepino 57% e cenoura49%. O tomate é uma das culturas onde são utilizadas grandes quantidades de agrotóxicos.
Há quem defenda o uso dos agrotóxicos argumentando que esta é a única forma de produzir alimento mais barato para a população. Porém nem todos concordam. O agricultor Fernando Ataliva, de Indaiatuba (S.P.)
garante que não há nenhuma dificuldade técnica em si produzir alimentos orgânicos sem agrotóxicos para alimentar a população e cita exemplo de seu próprio sítio.
Até 2050 a população terrestre chegará, provavelmente, a 9 bilhôes, hoje já com 7 bilhões. Pergunta-se: Será que haverá uma forma realmente alternativa de se produzir alimento saudável para toda a população?
Com a palavra as lideranças políticas atuais.

sábado, 22 de setembro de 2012

NÃO SE DIRIGE EDUCAÇÃO OLHANDO APENAS PELO RETROVISOR

A exemplo da maioria das leis que se implantam no Brasil, as redigidas para melhorar a educação também ficam ignoradas. Em 1996 o ensino  médio passaria a ser conduzido por uma nova lei que garantiria a preparação básica para o trabalho e a cidadania, adotando metodologias não só de ensino como também de avaliação, estimulando iniciativas por parte dos estudantes. Porém, o conservadorismo e engessamento do sistema impedem, até agora, que a lei se torne uma realidade. Os alunos continuam sentados em fileiras de carteiras nas salas de aula, em pleno século da informática, submetidos a uma divisão disciplinar, insatisfeitos e sem nenhuma iniciativa. O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) contribuiu de alguma forma para pequena mudança de conteúdo, mas os métodos continuaram os mesmos. Este, pelo menos, serve para mostrar a ineficácia da nossa educação. Os vestibulares continuam a exigir velhos conteúdos, as grades curriculares nas escolas estão presas a disciplinas alheias aos interesses do cotidiano. A formação dos professores também deixa a desejar, já que vêm de instituições da mesma forma fora da vivência escolar. Sem falar do descaso no que diz respeito a uma remuneração digna. Na prática, a tecnologia da informação tomou conta do dia-a-dia do cidadão e é inevitável que modificações profundas sejam feitas na educação brasileira. O ensino médio não pode se resumir apenas a uma preparação para o ingresso ao ensino superior.  Enquanto isso, o que vemos atualmente é uma grande evasão escolar, alta taxa de reprovação, número de concluintes estagnado e muitos jovens fora da escola. Está mais que na hora de se repensar na educação dos jovens brasileiros, abandonar o velho modelo fracassado, incentivar o ensino técnico, porém mudando a sua estrutura, como acontece em outros países. Sabemos que sobra vagas no mercado de trabalho por falta de profissionais qualificados e somente com a participação ativa dos estudantes, juntamente com seus professores e a sociedade de um modo geral é que o ensino médio poderá melhorar, com atividades inseridas no contexto do mundo real, para que os jovens possam visualizar suas vocações culturais e profissionais, envolvendo as modernas tecnologias, não apenas como objeto de consumo como vemos hoje, mas como um meio para melhorar a aprendizagem e formar cidadãos dignos.

domingo, 16 de setembro de 2012

Mais confundem que esclarecem

Campanha Política


A campanha eleitoral para prefeito e vereadores mais confunde que esclarece. O desfile de candidatos a vereador é tão hilária que mesmo se fosse para eleger o mais gaiato a escolha seria difícil. Não sei qual o objetivo de tamanha bizarrice. Ser a voz do povo para defender a cidade tem que no mínimo passar seriedade. São pouquíssimos os que transmitem algo que se deva levar a sério. Barraqueiros, cabeleireiros, pipoqueiros, taxeiros etc., cada um destes emprestando seu visual ou performance do jeito que lhe parece mais convincente. Talvez sabendo que neste horário muita gente desliga seus aparelhos ou muda para os canais pagos, resolveram apelar para o humor, diga-se de passagem, de péssimo gosto. 
Quanto aos cartazes, espalhados pelos gramados a fora nas vias automobilísticas, não me arrisco a olhar para nenhum porque não vale a pena provocar um acidente por tamanha distração. A nossa cidade de Salvador nunca passou por uma fase tão lastimável. Estamos no mato com cachorros, mais prontos para morder do que para salvar ou indicar um caminho. Estive recentemente em S.Paulo e pude constatar que lá a coisa não está muito diferente. O centro da cidade está decadente, sujo e feio. A periferia com suas favelas nada devem às daqui. Salva apenas a zona chique da  Cidade Jardim. Porém, tenho que reconhecer que em se tratando de violência Salvador ganha disparado de S. Paulo. 
Diante de tamanha falta de opção, tanto para os candidatos a  prefeito como para vereadores, tenho certeza que votarei sem certeza nenhuma da escolha que fizer, e que até agora não me decidi.

sábado, 8 de setembro de 2012

Desafiando a Genética



A nova novela das seis, que entra no ar nesta segunda-feira próxima, dia 10, na Rede Globo de Televisão, começa cometendo um erro genético. A menos que se trate de adoção ou traição, a filha do casal não poderia ter olhos escuros sendo descendente de pais com olhos claros. Se não é para levantar suspeitas quanto a paternidade da personagem na história, aconselho providenciarem uma lente de contato urgente, antes que a novela deslanche. Um bom trabalho para o continuista.
 Em se tratando de caráter recessivo, no caso olhos claros (azuis ou verdes), a manifestação destes genes só se dá em dose dupla. Ou seja, pai e mãe têm que trazer no seu genoma genes para cor dos olhos claros herdados dos antecessores. Então, os filhos deste casal, de olhos claros, serão todos de olhos claros. Jamais este casal terá filhos de olhos escuros porque no seu genoma o gene para olhos escuros está ausente. Se fosse o contrário, os pais tivessem olhos escuros e a filha olhos claros seria possível, porque um casal de olhos castanhos pode ser heterozigoto, ou seja, com metade de genes para olhos claros e outra metade para escuros. Neste caso se a filha herdasse exatamente as duas metades para cor  dos olhos claros, vindo da mãe e do pai, seus olhos seriam claros. Mas, a simples presença de um dominante impede que o lado recessivo se manifeste.
Acredito que muitos capítulos já devam estar gravados, e, mesmo  se tratando de ficção, é bom que o autor  da história se preocupe com o assunto, porque de outra forma os alunos dos professores de Biologia vão pensar que estão aprendendo errado, já que as novelas da Globo costumam ser formadoras de opinião e o público cativo incorporar como correto. 

Não é a primeira vez que observo episódio semelhante. Há casos de casais de personagens  brancos, de cabelos lisos e claros, com filhos morenos de cabelos crespos. Não digo que é necessário um estudo científico para se fazer uma novela, mas seria interessante um melhor cuidado nas escolhas dos atores que irão interpretar um determinado personagem. Em se tratando de literatura, a descrição do personagem muitas vezes leva o leitor a imaginar do seu jeito. Mas personagem televisivo não dá muita margem a imaginação.

domingo, 2 de setembro de 2012

Um Exemplo de Humildade

Faz algum tempo que venho observando que a prepotência está se tornando um comportamento corriqueiro. A prepotência é um sentimento, falso, de superioridade. Pessoas que de repente assumem um cargo, mesmo sendo ele pequeno, muitas vezes subalterno a um outro superior, mudam de postura e vão da arrogância à grosseria. Todas as outras pessoas são vistas pelo prepotente como inferiores. A prepotência é sinônimo de tudo que é mal visto: despotismo, autoritarismo, ditadura, opressão, tirania, que muitas vezes  leva à violência, constrangimentos e até ao assédio moral e sexual. O prepotente geralmente subestima a capacidade do outro, porque só ele sabe tudo, só ele está certo, só ele pode. São pessoas que precisam de auto-afirmação, porque têm complexo de inferioridade, ou vem de uma situação antes tida como inferior. Ascender a uma classe social, econômica, ou profissional, quando por meritocracia, é muito bom e louvável. Acontece que, ultimamente, está havendo uma inversão de valores e pessoas estão assumindo posições, muitas vezes por apadrinhamentos, sem nenhum preparo técnico e psicológico sem se dar conta disto. Talvez influenciadas pela situação política do país, onde os poderosos pensam que estão acima do bem e do mal e vão passando por cima dos valores morais e éticos, como é o caso do badalado Mensalão. Mas a prepotência não está só nos meios profissionais ou sociais, muito embora aí seja mais comum. Está também nas relações homem-mulher, pais e filhos, professor-aluno, médico-paciente, patroa-empregada etc.
Na minha visão experiente tenho constatado muitos finais infelizes de pessoas que se auto-condecoraram  superiores. A solidão é um desses. Quantos presidentes ditadores terminaram no ostracismo? Portanto, o único conselho que tenho para os que ainda não se deram conta do ridículo que é a soberba, que façam um exercício de reflexão e humildade, como fez o primeiro astronauta a pisar na lua, morto recentemente, Neil Armstrong(foto), que ao contemplar o Planeta Terra lá de cima, se deu conta do quão insignificante é o homem diante da grandiosidade do Universo. Armstrong é considerado o mais humilde de todos os astronautas e, apesar disso, é o mais lembrado de todos.